domingo, 8 de março de 2009

no silêncio do útero


indizíveis, os mistérios nos olhos das mulheres. águas infindas na sua profundidade. trazem sombras espelhadas nas lágrimas que choraram. a luz mora no brilho do seu riso. porque os olhos das mulheres riem quando partilham mistérios. nunca todos, nunca. escondem-se segredos na sabedoria dos dias. das meninas. das velhas. de todas as que, no silêncio do útero, são promessa e vida. ou só lembrança que se desfaz em ternura.


foto de katarzyna Widmanska

18 comentários:

  1. meninas fadas bruxas

    herdeiras

    pas-sadeiras

    de luas

    ( em todas

    uma antiga mulher

    nos fala

    nos

    co-habita





    beijo






    ~

    ResponderEliminar
  2. Lindíssimo este "no silêncio do útero".
    "os olhos das mulheres riem quando partilham mistério". Gostei mesmo. Um bom dia da Mulher.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  3. Sempre boas as tuas palavras! E as imagens que as acompanham...
    bjs
    :))

    ResponderEliminar
  4. Tocante! É a história da mulher, com um mínimo de palavras e quase que em um único enfoque, os olhos. Campactou uma história que não caberia nem na Enciclopédia Britânica.
    Um beijo!

    ResponderEliminar
  5. São elas, as Quaresmeiras, mulheres como devem Ser... Esperando o mometo certo, o dia certo que corresponde a todos os dias, todos os signos, todas as linhas...
    Mais uma vez, enfim Belo!
    Saudações Poéticas
    Everaldo Ygor

    ResponderEliminar
  6. é linda a composição, como sempre!

    (muito obrigada pela visita ao meu blog)

    ResponderEliminar
  7. o mistério do amor a deixar-se nascer. no silêncio.

    Muito bonito e expressivo.

    ResponderEliminar
  8. (bem)ditos mistérios nos olhos das mulheres!



    beijo.

    ResponderEliminar
  9. Rompes-me o corpo com o teu olhar
    De cada vez que sou horizonte
    Entrego-me, mãe, ao teu acordar
    Como um rio que regressa à fonte

    Nas mãos, o teu silêncio de ninar
    No sorriso, um abraço em ponte
    Entrego-me, mãe, de novo ao teu olhar
    De cada vez que sou horizonte

    Saliva de cada palavra por fechar
    Seiva de dentro, em verso e monte
    Rompes-me o corpo no teu acordar
    Como um rio que regressa da fonte

    ResponderEliminar
  10. sempre gostei desta escrita . assim. uterina densa e ao mesmo tempo cálida. madura também.


    beijo. a agradecer.


    imf.piano.

    ResponderEliminar
  11. Receber um selo, seja ele qual for,
    é uma forma de tornar uma gentileza, um ato de carinho.

    Repasso para você um selo recebido!

    Um beijo com o meu carinho

    ResponderEliminar
  12. Resumo de uma sina.
    Talvez.
    Ou resumo de uma saga.
    Porque são guerreiras.
    E quem guerreia sempre um dia vence tudo.

    Loas às mulheres!
    Benditas sejam.

    Um carinho, Mariab.
    Continuemos...

    ResponderEliminar
  13. e segredos, pungentes, trágicos por vezes...

    ResponderEliminar
  14. são tudo isso. e por isso reinam!
    (diga-se o que se disser...)

    belíssimo. o texto.

    ResponderEliminar
  15. Em nós se fundem todas as que fomos.

    De uma sensibilidade assombrosa as tuas palavras, Mariab!

    ResponderEliminar

Aqui disse de mim. Diz tu também...