segunda-feira, 1 de junho de 2009

mirror, mirror on the wall


deve haver uma essência
sob as camadas sobrepostas
ou talvez quase nada
leve traço sem nexo ou propósito
um projecto um esboço
carvão negro em risco incerto
por cada máscara inventada
cada rosto desenhado
na imagem que o espelho oculta


foto de Klaus Kosak

18 comentários:

  1. em cada traço há uma camada de vida,
    revelações mascaradas de nada,
    um rosto desenhado que se descobre
    na certeza do reflexo
    e em silêncio pergunta:
    sou eu?

    ResponderEliminar
  2. Mascaro-me de bom poeta quando leio algo assim tão bem escrito...

    ResponderEliminar
  3. Quantas vezes mentimos ao espelho!
    As máscaras existem para ocultar olhares cúmplices, para iludir emoções, para esconder o sorriso... para nos mentirmos a nós próprios!


    Beijos...

    ResponderEliminar
  4. talvez apenas o "perfume" de uma imagem. volátil que seja...

    ResponderEliminar
  5. Não somos o que pensamos porque nunca conseguimos ver-nos senão reflectidos.

    Conta a verdade da alma. E essa sim, sabemos-la bem.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  6. entre a forma e o reflexo,
    a transfiguração acontece na épura traçada.

    beijo

    ResponderEliminar
  7. Lindo Poema...temos assim, em nosso rosto muitas marcas, traços de uma vida toda, algumas como você diz, esconde-se por trás de máscaras , escondendo de si mesmo seus segredos, mas nada pode-se esconder diante do espelho que revela todo reflexo de uma face em seu verdadeiro tempo.

    Bjo pra ti

    ResponderEliminar
  8. Mil caminhos
    Esta viagem sem velas nem vento
    Este barco na bolina das ondas
    Esta chuva miúda transborda sentimento

    Amarras prendem o gesto
    Arrocham um coração que bate incerto
    Uma gaivota retoca as penas com espuma
    Levanta voo em rumo concreto

    Partilha comigo “100 Anos de Ilusão”


    Mágico beijo

    ResponderEliminar
  9. Nós começamos ponte e tornamo-nos parede...reflexo do que em nós se transforma.

    A vida!

    Gostei muito.

    Beijo
    Francisco.

    ResponderEliminar
  10. na imagem

    autónoma

    do que

    o-espelho-em-si

    oculta,



    beijo



    ~

    ResponderEliminar
  11. Muito interessante este poema.
    Esteticamente, sem mácula.

    Beijoca

    ResponderEliminar
  12. Somos facas
    de dois gumes
    farsas farras
    mascarras somos
    força e uma espessa
    margem de não ser
    ou ser

    Um carinho, Mariab.
    Continuemos...

    ResponderEliminar
  13. Adorei o poema...lindoooooooooooooooo.
    Beijinhos
    Anad

    ResponderEliminar
  14. leve e enigmático... apelando para a transcendência do ser... a fluir na espessura do efémero.carpe diem.

    beijinho,

    ResponderEliminar
  15. Gostei muito. As imagens qu eutilizas são-me muito familiares. Sem o teu engenho usei-as também.
    Muito bom
    beijinho

    :))

    ResponderEliminar
  16. o rosto diverso.


    o uno inteiro. porém tão múltiplo.



    ::::::::::::::

    o prazer de uma escrita inteira.



    o neu beijo.

    ResponderEliminar

Aqui disse de mim. Diz tu também...